sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Um Desconhecido…



Estávamos de fim-de-semana… A vida andava a um ritmo alucinante, trabalho, casa, filhos, problemas … essas coisas normais e naturais no ciclo da vida… Fomos só os dois ter um daqueles fins-de-semana de fantasia, paixão e sedução… Embora para um local aparentemente calmo (uma herdade bem calma em pleno Alentejo) queríamos mesmo viver momentos escaldantes muito agitados em contraste com o local…
Em muitas das nossas conversas intimas e “proibidas” já tinha deixado escapar diversas vezes ao meu marido o quanto me excita pensar que pudesse vir a ter uma sessão de sexo com um desconhecido que nunca mais voltasse a ver… Ele incentiva-me pois isso também o excita e ele adora que lhe conte as minhas fantasias. (Gostamos de viver coisas irreverentes mas sempre com consentimento um do outro pois o prazer tem de ser para ambos). Certo é que quando viajávamos para o nosso sitio de escape desse fim-de-semana ia muito com esse pensamento na ideia e estava com imensa vontade de realizar essa fantasia… aproveitei esse meu estado e fui dando a perceber ao meu marido que estava com imenso desejo de viver um momento desses, fui deixando que ele amadurece-se a ideia e que se fosse soltando na sua opinião… mantive-o seguro e fiz com que se sentisse bem de modo a também ser excitante para ele esta possível aventura…
Chegamos ao local e acabamos logo por dar uma foda já íamos bem quentes destas conversas ao longo da viagem… Tirei uma bela soneca durante a tarde… Ele andou pela herdade a conhecer a zona … Chegado o anoitecer e por aconselhamento dos donos da quinta fomos até uma aldeia próxima a um restaurante acolhedor (não moderno mas acolhedor) … Via-se que o telhado era sustentado por vigas de madeira, balcão e mesas em madeira… Alguns casais também por ali jantavam e ao que viemos a perceber também instalados na herdade… Comida tradicional acompanhada de um vinho (coisa que nem bebemos mas todo o enquadramento nos levou a isso) … comemos, apreciamos, rimo-nos, trocamos alguns olhares… e fomos andando para a herdade onde alguns casais estavam numa sala comum, uns conversavam, outros viam TV, outros tomavam um chá… Por ali ficamos um com o outro até que ele quis ir para o quarto pois estava cansado da viagem e enquanto eu estive na sesta ele andou a “vadiar” … ao reparar que eu ainda estava para ficar mais um pouco por ali disse-me para ficar e desfrutar um pouco do momento… ainda antes de ir embora deu-me um beijo de cortar a respiração e sussurrou-me ao ouvido “não de esqueças daquilo que me tentaste convencer no carro… espero que ainda chegues com vontade para mim… Quase perdi a respiração… o meu coração acelerou… não sei se de susto se de desejo… Mas senti-o confiante…

Por ali fiquei também entretanto na conversa com outros casais que por ali ficaram… Conversas banais, vida, trabalho, filhos, gostos etc. etc. Ao fundo um casal reservado mas muito atraente… ela tinha um ar muito discreto, tapava a boca com a mão como que não quisesse-se que percebessem o que falava… ele parecia distante da conversa… um homem de estatura normal na casa dos 40 anos ela um pouco mais nova… pareciam felizes e muito cúmplices contudo e como referenciei sentia-o distante da conversa… comecei com alguma insistência a direccionar o meu olhar par ambos e fui sentindo ele cada vez mais desligado da conversa… lembrei-me das ultimas conversas que o meu marido me disse e decidi entrar num jogo perigoso de sedução… Insisti nos olhares… usei as mãos e de uma forma discreta mas que ele percebesse fui-me tocando… seios, pernas, cabelos… alarguei o meu decote… senti que tirei aquele homem fora do seu controlo … ela parecia aperceber-se que ele estava distante da conversa que tinham mas não se apercebia do que se passava… Acabou por ir embora parecendo mesmo que ia com um ar de chateada… Aproveitei a situação e fui provocando bem mais aquele homem ao ponto de desejar que me possui-se e fosse embora depois do meu prazer… Levantei-me sai para a rua indicando-lhe com o olhar que me seguisse… senti que o deixei desorientado… Fui seguindo pela herdade e procurei um local reservado atrás de uma das varias casas que existia na herdade, não tinha luz nem aparentava la ter ninguém… sentei-me num banco de madeira (parecia feito de um tronco de uma árvore) … sinto que alguém me agarra na anca e me levanta com determinação… estremeci mas estava com tanto desejo que quase me vim do desse gesto… Virei-me senti um beijo de fogo, senti umas mãos que me percorriam… muito rápido senti que já não tinha blusa… uma língua percorria-me o corpo… um dedo penetrava-me… gemia desalmadamente... Sentou-se no banco… baixou as calças e mandou-me sentar em cima… fodemos rápido estávamos ao rubro… gemi de imenso prazer… foi transcendente e fora de tudo o que já havia feito… Vesti-me fui partilhar com o meu marido que ficou muito excitado… E cheio de vontade de me foder… 

1 comentário: