segunda-feira, 15 de setembro de 2014

... Preparava-mo-nos para jantar com um casal amigo... a semana tinha sido agitada era hora de descontrair e por de parte todos aqueles assuntos que nos afogam diariamente... Enquanto tomava o meu banho lembrei-me daquele brinquedo que tinha comprado à Maria em tempos mas que nunca o tínhamos usado... um vibrador com um comando a distância... olha o que fui pensar eu... estava mais que na hora de dar uso pois afinal servia para muita coisa menos para estar na gaveta ou para nos "gabarmos" que tínhamos um...
Sai do meu banho cheio de ideias e logo pronto a convencer a Maria a usa-lo nessa noite... e consegui... pareceu-lhe uma ideia louca mas temos de admitir que muito excitante... Lá fomos nós...
A noite estava chuvosa, cheirava a terra molhada mas a temperatura estava razoável, nessa conjugação sentia-se um certo charme... não encontro forma de transmitir... 
Jantámos, Conversa puxa conversa, risos,  brincadeiras e algumas provocações... Altura certa para por carregar no Play... A Maria já tinha o vibrador desde que tínhamos saído de casa... Assim que liguei remotamente estremeceu, contia-se, soltava risos (alguns com tons de gemidos)... via-se excitação que transmitia com conversas provocantes comigo e com os nossos amigos... talvez pensassem que a sangria estava a subir a cabeça de Maria... Por alguns momentos por ali se mantivemos até que por desespero (penso eu) a Maria retira-se com o pretexto de ir ao WC... Sendo típico a amiga foi também... 
Nós ali ficámos, a conversa estava boa, o local era agradável e como a noite estava chuvosa e apesar do jantar "já lá ir" estava-se bem por ali... continuando uma conversa acesa quando chegaram... E eu lá continuava com a minha brincadeira mas pareceu-me que a Maria já não estava tão constrangida... ou desligou o "bichinho" ou veio-se... enfim apesar de estranho tentei "reanima-la" dando uso ao comando à distância... mas sem sucesso... estava eu tão curioso com o que se passara e tão concentrado em trazer Maria de novo aquele jogo, até me abstrai do momento de convivência que estávamos a ter...até que... reparo na expressão da minha amiga ...estava estranha... agora era ela que parecia constrangida... estava estranha, pouco falava, revirava os olhos... que coisa estranha pensei eu... e faz-se luz na minha cabeça quando reparo que essas reacções dela eram mais intensas quando eu mudava de intensidades no comando... POSSA...Elas tinham trocado o brinquedo na ida ao WC... Corei... estremeci... fique sem jeito e longe da conversa... A Maria apercebeu-se e mandou-me um SMS... Ela vai-se vir não pares... Eu respondo "DOIDA acabas comigo"...

domingo, 14 de setembro de 2014

Prazer entre amigas ...

Andamos doidos...na imaginação de ter novas experiências... despertar novas tentações... ou seja a querer pisar o risco (passo a expressão) ... Trocas de ideias com amigos (mais íntimos como é óbvio), ideias essas tentadoras ... embora medrosas e até mesmo embaraçosas no ponto de vista de as colocarmos em prática...

Imaginação...

Tínhamos combinado um café sendo que o ponto de encontro que antecedia  era em minha casa... Ela apareceu e enquanto dava um jeito em pequenos detalhes antes de me arranjar para sair fomos falando das tentações/fantasias dos nossos homens (visualizar duas mulheres juntas nos caminhos do prazer) ... como era um assunto fresco e para alem das tentações/fantasias deles também era no fundo uma experiência excitante e tentadora para nós mulheres e acabamos-nos por se "perder" no tempo numa conversa de sofá...

Já perdidas no tema fomos imaginando como seria tocar-nos, beijarmos-nos, acariciar-nos ... e demos por nós a pensar... e porque não? quem melhor que nos mesmas para saber o que nos leva ao limite?... já que a vida é só uma porque não sair dela com a sensação que fomos explosivas na vivência de novas experiências... porque não sair da rotina? e porque não aproveitar tal situação para deixar nossos homens bem no seus limites... foram tantas as perguntas e a resposta "sempre a mesma" óbvia no sentido de querermos levar esta experiência enfrente...

Já excitadas e tentadas... fomos pensando em mil e uma formas de o fazer... pensamos ter essa experiência num espaço onde nossos homens também estivessem mas de forma "castigada", onde apenas nos podiam ouvir, sentir e o resto imaginar... apesar de ser uma boa ideia seria um passo "arriscado" para uma primeira experiência alem de que estaríamos a ser cruéis de mais ... Pensamos que o mais simples seria ter essa experiência as duas e apenas lhes contar que a tivemos... não deixar de ser cruel para com eles mas também não deixa de ser excitante para todos...

Meio sem jeito deixamos de ser racionais e começamos numa troca de mãos... ambas coradas... desamparadas mas aos poucos a coisa foi rolando... para ajudar passamos um filme para adultos (lol) acabam-nos por nos beijar (o que foi extremamente excitante) fomo-nos tocando... o prazer começou a tomar
conta de nós ... e o resto é só imaginar..

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

ANAL



Confesso que tenho andado carente… E a Maria “espicaça” muito mas… Gosto de me libertar da pressão do trabalho e da vida banal e monótona em que por vezes estamos envolvidos mas… As últimas conversam no que toca a prazer foi a Maria a mencionar-me que por vezes imagina-se a beijar certas raparigas bonitas que vai vendo… claro que isso me causa uma excitação bem boa… mas era bom isso passar da imaginação da Maria pois gostava de vê-la noutro patamar … Também mencionou uma ou outra conversa onde lhe confessaram a sua experiência de sexo anal. Penso ter visto nos olhos da Maria algum interesse para iniciarmos essa prática… Mais uma vez é algo que estou mortinho para fazermos…
Um dia destes chego a casa depois de um dia de trabalho de treta (como tem sido os últimos) estava a Maria agarrada ao seu amigo de Borracha a dar prazer a sua bela rata… estava de janela completamente aberta vendo-se as janelas da vizinhança e por quem por ali andava no vai e vem entra a varanda e a casa… Enquanto desfrutava do seu prazer passava na TV um filme pornográfico em que Maria se deliciava com o que se passava… A TV é suficientemente grande para que alguém da varanda ou janela repara-se ao que se assistia naquela sala, ainda para mais neste horário de inverno o final do dia já é noite o que realça mais tal situação… Mas ela não se importava pois é excitante saber que nos observam nestas ordinarices saudáveis… Ao ver-me Maria parece que ficou meio envergonhada pois sinto que ainda nos falta quebrar algumas barreiras para que tudo fique mais oleado e funcione melhor mas há ade-se la chegar… Pedi-lhe para continuar pois era algo que sempre ansiei por ver … A Maria a dar prazer a ela própria… a imaginar coisas loucas… e neste caso a ver pornografia pura num daqueles canais que subscrevemos de janela aberta sabendo que alguém nos poderia estar a observar… Parece que desta vez ela perdia a vergonha e lá continuava sendo que também eu não consegui estar quieto e comecei uma bela massagem ao meu pau que já estava em rubro… cada vez mais aquele cenário e aquela mulher a enfiar um caralho falso na cona me excitava… imaginei-a de mil e uma formas… com outra mulher… com outro homem… comigo… connosco… Ela cada vez mais ansiosa mais excitada… aumentava os gemidos… já me sentia um vulcão a entrar em erupção…
Sentou-se no sofá onde já estava abriu as pernas e continuou a enfia-lo de forma cada vez mais bruta… a mulher estava doida e eu para lá disso… chamou-se e pediu-me para com a língua lhe dar prazer enquanto aquele “animal” de borracha a fodia ao ritmo imposto por ela… por ali estivemos assim, eu de cabeça mergulhada naquela rata, ela a enfiar o seu amigo imaginário dentro dela e com os olhos fixos na foda que se dava na TV…

Não estava a aguentar aquela tortura de ainda não a estar a foder  e de estar a ser trocado por um pedaço de borracha em forma de pénis que vibrava e nada mais… (nada mais digo eu)… queria um buraco apertadinho para meter o meu caralho e me vir pois estava a rebentar pelas costuras… Aproveitando o estado de excitação de Maria fui-lhe massajando o ânus com algum receio da sua rejeição… fui enfiando e tirando a ponta do dedo alternando com massagem… senti que gostava… senti que o seu tesão no cú aumentava cada vez mais ficando proporcional ao tesão que já havia naquela rata… aproveitei o momento para lhe enfiar o dedo todo dentro do cú e com ele mesmo foder… ela deu um gemido mas nada disse ficando eu sem perceber se de prazer se de dor, seja o que for ela parecia estar a gostar… Por ali se ficou naquele vai e vem de sensações e quando não é o meu espanto quando ela me diz “Amor mete o teu caralho todo no meu cú e faz-me vir”… fiquei abanando como é óbvio… pequei no lubrificado besuntei bem aquele rabo que me estava a deixar maluco e fui metendo bem devagar enquanto o amigo imaginário dela lhe fodia a rata… ela fazia alguma contração mas eu fui bem devagar até entrar metade… ela só pedia para por todo que se estava quase a vir… a forçar bem devagar senti que de repente fiquei com ele todo enterrado no seu cú… fodi bem devagar e num curto espaço de tempo vimo-nos os dois de forma brutal… nunca a havia ouvido gritar de tanto prazer… não sei se alguém nos viu da janela mas se viu que tenha tido prazer com isso…Foi maravilhoso e senti que nos aproximou mais… Gosto de te foder Maria estás em todas as minhas fantasias…

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

A Amiga...



Já faz parte do meu imaginário o fetiche de sermos observados enquanto envolvidos no “pecado” do prazer… a ser dominado/usado pela Maria… Não por exibicionismos mas meramente por achar tal coisa excitante, envolvente e até mesmo de saber que estamos a levar o observador/a ao limite da excitação… Temos falado algumas vezes sobre tal cenário sem chegar a uma conclusão definitiva…
Certo dia chego a casas lá estavam elas… Sentadas no sofá nas suas conversas… Parece que me clicaram num botão e a minha imaginação começou a criar cenários de loucura … algo me começou a correr pelas veias… creio que uma mistura entre vontade de ver a Maria a saltar-me para cima e foder enquanto éramos observados pela sua amiga e medo/vergonha de tal cenário... Não me fiz rogado pois ambos já tínhamos falado no tema… Sai dali e mandei um SMS a dizer-lhe para ela imaginar a excitação que seria alguém vê-la a fazer-me um broche de fazer cortar a respiração… de olhar para os olhos de alguém enquanto eu com a minha língua lhe percorria uma rata humilha e cheia de desejo…. Da excitação que seria de me saltar para cima e foder em cima de mim num momento de pura loucura… e enquanto o fazia via que quem observava estaria no limite…

Por minutos fiquei a tremer… e quando recebo a resposta ainda mais… A resposta só dizia --- “Junta-te a mim”… Lá fui eu com as pernas a tremer que nem varas verdes, mas determinado em viver esta aventura… Sentei-me no sofá onde estava a Maria sendo que no sofá oposto estava a sua amiga… pareceu-me em já alguma vez tivessem falado neste assunto, talvez fosse impressão minha… A Maria logo muito directa disse-me “quero que te venhas em mim agora”… a sua amiga abriu em demasia os olhos e respondeu “meninos eu estou aqui” a Maria responde “Quero que nos vejas a dar uma foda”… a outra ficou sem reacção mas instalou-se… Fui envolvido pela Maria em beijos enquanto me tirava a roupa e de seguida me faz um broche em que quase me vinha pois aquele cenário era improprio para o coração… Maria chupava sem dó nem piedade não parecendo que fosse parar cedo, olhava para a amiga para ela poder ver bem o que estava a fazer… enquanto isso usava os meus dedos para lhe sentir a rata que estava muito molhada… pelo grau de excitação a coisa ia ser rápida… Maria levanta-se empurra-me de forma bruta para que ficasse deitado no sofá e ai reparo que a amiga estava inquieta com o cenário… Maria enfiou o meu pénis duro na sua rata que entrou rapidamente e soltou uma sequência de gemidos misturados com palavras “estou-me a vir”… Sendo que me venho logo seguida… A amiga de Maria estava sem jeito… Fui direto ao banho…

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Um Desconhecido…



Estávamos de fim-de-semana… A vida andava a um ritmo alucinante, trabalho, casa, filhos, problemas … essas coisas normais e naturais no ciclo da vida… Fomos só os dois ter um daqueles fins-de-semana de fantasia, paixão e sedução… Embora para um local aparentemente calmo (uma herdade bem calma em pleno Alentejo) queríamos mesmo viver momentos escaldantes muito agitados em contraste com o local…
Em muitas das nossas conversas intimas e “proibidas” já tinha deixado escapar diversas vezes ao meu marido o quanto me excita pensar que pudesse vir a ter uma sessão de sexo com um desconhecido que nunca mais voltasse a ver… Ele incentiva-me pois isso também o excita e ele adora que lhe conte as minhas fantasias. (Gostamos de viver coisas irreverentes mas sempre com consentimento um do outro pois o prazer tem de ser para ambos). Certo é que quando viajávamos para o nosso sitio de escape desse fim-de-semana ia muito com esse pensamento na ideia e estava com imensa vontade de realizar essa fantasia… aproveitei esse meu estado e fui dando a perceber ao meu marido que estava com imenso desejo de viver um momento desses, fui deixando que ele amadurece-se a ideia e que se fosse soltando na sua opinião… mantive-o seguro e fiz com que se sentisse bem de modo a também ser excitante para ele esta possível aventura…
Chegamos ao local e acabamos logo por dar uma foda já íamos bem quentes destas conversas ao longo da viagem… Tirei uma bela soneca durante a tarde… Ele andou pela herdade a conhecer a zona … Chegado o anoitecer e por aconselhamento dos donos da quinta fomos até uma aldeia próxima a um restaurante acolhedor (não moderno mas acolhedor) … Via-se que o telhado era sustentado por vigas de madeira, balcão e mesas em madeira… Alguns casais também por ali jantavam e ao que viemos a perceber também instalados na herdade… Comida tradicional acompanhada de um vinho (coisa que nem bebemos mas todo o enquadramento nos levou a isso) … comemos, apreciamos, rimo-nos, trocamos alguns olhares… e fomos andando para a herdade onde alguns casais estavam numa sala comum, uns conversavam, outros viam TV, outros tomavam um chá… Por ali ficamos um com o outro até que ele quis ir para o quarto pois estava cansado da viagem e enquanto eu estive na sesta ele andou a “vadiar” … ao reparar que eu ainda estava para ficar mais um pouco por ali disse-me para ficar e desfrutar um pouco do momento… ainda antes de ir embora deu-me um beijo de cortar a respiração e sussurrou-me ao ouvido “não de esqueças daquilo que me tentaste convencer no carro… espero que ainda chegues com vontade para mim… Quase perdi a respiração… o meu coração acelerou… não sei se de susto se de desejo… Mas senti-o confiante…

Por ali fiquei também entretanto na conversa com outros casais que por ali ficaram… Conversas banais, vida, trabalho, filhos, gostos etc. etc. Ao fundo um casal reservado mas muito atraente… ela tinha um ar muito discreto, tapava a boca com a mão como que não quisesse-se que percebessem o que falava… ele parecia distante da conversa… um homem de estatura normal na casa dos 40 anos ela um pouco mais nova… pareciam felizes e muito cúmplices contudo e como referenciei sentia-o distante da conversa… comecei com alguma insistência a direccionar o meu olhar par ambos e fui sentindo ele cada vez mais desligado da conversa… lembrei-me das ultimas conversas que o meu marido me disse e decidi entrar num jogo perigoso de sedução… Insisti nos olhares… usei as mãos e de uma forma discreta mas que ele percebesse fui-me tocando… seios, pernas, cabelos… alarguei o meu decote… senti que tirei aquele homem fora do seu controlo … ela parecia aperceber-se que ele estava distante da conversa que tinham mas não se apercebia do que se passava… Acabou por ir embora parecendo mesmo que ia com um ar de chateada… Aproveitei a situação e fui provocando bem mais aquele homem ao ponto de desejar que me possui-se e fosse embora depois do meu prazer… Levantei-me sai para a rua indicando-lhe com o olhar que me seguisse… senti que o deixei desorientado… Fui seguindo pela herdade e procurei um local reservado atrás de uma das varias casas que existia na herdade, não tinha luz nem aparentava la ter ninguém… sentei-me num banco de madeira (parecia feito de um tronco de uma árvore) … sinto que alguém me agarra na anca e me levanta com determinação… estremeci mas estava com tanto desejo que quase me vim do desse gesto… Virei-me senti um beijo de fogo, senti umas mãos que me percorriam… muito rápido senti que já não tinha blusa… uma língua percorria-me o corpo… um dedo penetrava-me… gemia desalmadamente... Sentou-se no banco… baixou as calças e mandou-me sentar em cima… fodemos rápido estávamos ao rubro… gemi de imenso prazer… foi transcendente e fora de tudo o que já havia feito… Vesti-me fui partilhar com o meu marido que ficou muito excitado… E cheio de vontade de me foder…